Últimas Notícias

Indústria já recolheu mais de 4 milhões de toneladas de pneus inservíveis

Voltar

 

A indústria nacional de pneus faz a sua parte na gestão ambiental. Somente em 2016, o setor prevê investimento da ordem de quase R$ 108 milhões com reciclagem, gerando investimentos, cerca de 1,2 mil empregos indiretos e cumprindo com a legislação. Com essas ações, o setor já chegou à marca de 4 milhões de toneladas de pneus recolhidos desde o início do programa. De janeiro a outubro deste ano, a Reciclanip – entidade que é parte da Associação Nacional da Indústria de Pneus (ANIP) para coleta de unidades inservíveis, coletou e destinou de forma ambientalmente correta mais de 383,9 mil toneladas do material, quantia que equivale a 76,8 milhões de unidades de pneus de carros de passeio. 
 
A marca de mais de 4,1 milhões de toneladas de pneus inservíveis recolhidos equivale a 821 milhões de pneus de carro de passeio. Desde o início do  programa, em 1999, os fabricantes de pneus já investiram R$ 898,8 milhões  na iniciativa. “Por pneus inservíveis entende-se como sendo aqueles que não têm mais condições de serem utilizados para circulação ou reforma”, explica o gerente da Reciclanip, Cesar Faccio.
 
“O custo previsto para este ano é utilizado para os procedimentos logísticos, tais como o recolhimento dos pneus inservíveis dos pontos de coleta às trituradoras, que hoje representam mais de 60% dos nossos custos, e também para todos os investimentos de destinações. Temos hoje mais de 1.000 pontos de coleta e uma média de 90 caminhões transitando diariamente, em todos os dias do ano”, explica Klaus Curt Muller, presidente da ANIP e da Reciclanip. 
 
Os pontos de coleta estão distribuídos em todos os estados e Distrito Federal e foram criados em parceria com as prefeituras, que cedem os terrenos dentro das normas específicas de segurança e higiene para receber os pneus inservíveis vindos de origens diversas. O responsável pelo Ponto de Coleta comunica a Reciclanip sobre a necessidade de retirada do material quando atinge a quantidade de 2.000 pneus de passeio ou 300 pneus de caminhões. A partir daí a Reciclanip programa a retirada do material com os transportadores conveniados. Para saber onde levar os pneus inservíveis é só consultar a lista com todos os pontos de coleta que está no site www.reciclanip.com.br 
 
“É muito importante que o consumidor tenha consciência e não leve pneus velhos para casa. Ao comprar um pneu novo, o indicado é deixar seu pneu inservível na loja, que tomará as providências necessárias para que o material chegue até nosso ponto de coleta. Os pneus inservíveis descartados de forma errada contribuem para o agravamento das condições ambientais e de saúde nas cidades, e,  se queimados de forma errada, geram poluição atmosférica”, diz Curt. 
Desde 2010, ano do primeiro relatório do IBAMA, a Reciclanip vem ultrapassando sua meta logística. Por exemplo, em 2015, a Reciclanip superou a meta de logística reversa estabelecida pelo IBAMA chegando a 101,7% de recolhimento e destino correto de pneus. 
O Brasil registra um passivo ambiental de 179,5 mil toneladas de pneus inservíveis de responsabilidade dos importadores que não cumpriram sua meta. Por isso, uma das tarefas da ANIP é buscar junto ao governo federal medidas que equacionem esse passivo, sugerindo que a concessão de licenças de importação seja liberada apenas para aqueles que tiverem um contrato de gestão ambiental ou que paguem uma taxa para a destinação ambiental de pneus inservíveis em volume correspondente à importação.
 
DESTINAÇÃO FINAL 
No Brasil, os pneus inservíveis são reaproveitados de diversas formas, como combustível alternativo para as indústrias de cimento, na fabricação de solados de sapato, em borrachas de vedação, dutos pluviais, pisos para quadras poliesportivas, pisos industriais, asfalto-borracha e tapetes para automóveis. 
 
Todas estas destinações são aprovadas pelo IBAMA como destinações ambientalmente adequadas. Hoje, grande parte dos pneus coletados é usado como combustível alternativo nas cimenteiras. Para que seja ambientalmente correta, a queima deste material nas cimenteiras é cercada de todos os cuidados ambientais necessários, com o uso de filtros especiais. 
 
Continuar Lendo